Sobre mães de UTI

Olá!

Óbvio que eu não vou me meter a besta de ficar falando coisas para me parecer de vítima, a intenção não é essa, juro - mas eu preciso dizer o que eu vi e senti ;)

O que eu passei não foi nada do que eu vi ali naqueles corredores, juro que é como se fosse um mundo paralelo, a UTI neonatal é um lugar cheio de esperança, mas também é pesado ficar ali o tempo todo, a carga emocional é bem tensa. Imagine bem alguém que não tem consciência da própria existência e luta pela sobrevivência, enquanto a Maria tava lá, pensei muito sobre o avanço da tecnologia, sobre a medicina, se não fosse aquela aparelhagem toda, o qur seria da minha Maria? Por isso que dá medo.

Diante de quadros variados, vi muitas mães que estavam lá a meses, 2, 3 e muito mais! Elas eram família já, o hospital era a segunda casa. Por isso fiquei assustada, porque não queria que ali fosse minha casa. Vi força em muitas mães, cada uma tinha um jeito singular, assim como cada caso ali era singular... estamos falando de gêmeos, trigêmeos, quadrigêmeos (juro!) que permaneceram na UTI pra ganhar peso e de bebês com problemas gravíssimos sem previsão de saída pelo próximo mês! Entenda que, se você for uma mãe de UTI ou se você, de repente, virá a ser, a única coisa que se vê presente ali é Deus, Deus em sua mais pura forma de agir, no silêncio, no silêncio de cada pedido em cada coração angustiado, no silêncio de cada enfermeira que cuida daquelas vidinhas que quase cabem na palma da mão. Rezei muito ali, mas vi muitas outras rezando mais que eu. Não é momento de pedir explicações a Deus do porque daquela situação, nunca iremos saber a razão de nada até a situação passar. 

Admiro você que talvez esteja nessa situação ou que já passou por ela, 1 dia ou 1 mês é tempo demais quando é o seu filho que está encubado e cheio de fiozinhos, tão magricelinho que cada grama ganhada é uma alegria sem igual. Eu me senti perdida, naufragada naquele mar de emoções, termos desconhecidos, só queria ficar sentada perto da Maria, como se minha presença a fizesse reagir, eu me espelhei em muita força que eu vi, sem nem mesmo trocar uma palavra com outra mãe, as vezes não é nem preciso dizer nada para admirar alguém, aquelas mãe são heroínas, são super mamães, me senti um pouco assim também, é uma força que vem lá do fundo da nossa alma e nos deixa ligada. Na verdade esse post é pra você que esteja passando  por isso e se, um dia, você vier a passar lembre-se de que há sempre luz por maior que seja a escuridão, tenha força, garra e não tente entender o porque aconteceu, apenas reze para que tudo dê certo, é um ótimo momento para seu bebê ouvir suas primeiras orações, Deus escuta! Não desista e confie que tudo dará certo, por pior que seja a situação, as coisas acontecem, não há nada que possamos fazer contra isso, tenha orgulho daquela vidinha que já luta sem saber que nasceu ainda - às vezes seu filho já não é um bebê (e talvez nem seja um filho,mas alguém muito próximo) mas a perseverança precisa permanecer junto a fé, delete do vocabulário as palavras "desistir", "medo", "dúvida", "tristeza", você precisa passar o que há de melhor em você a quem necessita tanto e, para você que já passou por isso só me resta a admiração, hoje eu sei que quem passou por isso é uma guerreira sem nome, uma heroína nada famosa e que mesmo passando por tudo isso, ainda vai ouvir coisas dos filhos quando eles crescerem, é a vida, eles não vão saber o quanto nós o admiramos desde o primeiro segundo de vida, mas tudo bem, isso acontece e nós vamos passar por isso também.

Não posso me esquecer dos papais de UTI - eles tem um papel fundamental que é o de alicerce, de porto seguro, onde você pode contar apesar da turbulência do dia a dia naquele cenário branco com tons pastéis, são heróis também, seguram a barra no trabalho enquanto as mães estão batalhando no hospital, batalham para não chorar quando a fragilidade materna aflora, eu só tenho que agradecer ao Caio por isso, por não me deixar desistir, perecer e me entregar a tristeza pois eu era a peça fundamental para que a Maria saísse de lá, toda a força que eu veio até mim foi acolhida dentro do meu coração e despejada todo santo dia na encubadora da Maria. E não é que deu certo?!

Comentários

  1. Excelente post! Hoje no mercado encontrei uma mãezinha de UTI com seu bebê e me emocionei ao lembrar o período em que eu e ela estávamos angustiadas com aquele universo a parte... Nada de flores no quarto, visitas, lembranças. Era apenas unma mãezinha e seu bebê. Deus é perfeito! Hoje podemos chorar de alegria para compensar aqueles momentos de tristeza e angústia. Para aquelas que atualmente estão nessa situação desejo FORÇA!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas